sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Festas da Cidade de Torres Vedras

cid:image002.jpg@01D3476A.CD150A50
S. Gonçalo de Lagos e S. Martinho voltam a dar as mãos para acolher as Festas da Cidade de Torres Vedras que terão a sua décima quarta edição, a decorrer a partir de 27 de outubro (dia dedicado a este primeiro santo), e estendendo-se até ao dia dedicado ao segundo (terminando a 11 de novembro).

O evento assenta, como já é hábito, em duas iniciativas nucleares: o Festival Internacional de Acordeão de Torres Vedras – Acordeões do Mundo(que manterá o seu formato com os habituais concertos no Teatro-Cine de Torres Vedras e as atuações de acordeonistas nomeadamente em restaurantes e cafés); e o espaço das “tasquinhas”, no Pavilhão Multiusos de Torres Vedras, que terá mais uma vez um programa de animação diário (com, principalmente, atuações de bandas, de ranchos folclóricos e de acordeonistas), o qual será complementado pelos festivais do pastel de feijão e do vinho de Torres Vedras e por uma mostra de uvada e bolos de ferradura. Esse espaço das “tasquinhas” estará a cargo das freguesias do concelho de Torres Vedras.

A Final do Festival das Vindimas será mais uma vez enquadrada no mesmo, sendo que esta atividade marcará de novo o culminar das festividades.

Para além desta iniciativa e do Festival do Vinho de Torres Vedras, outras no âmbito das Festas da Cidade de Torres Vedras relacionar-se-ão com a temática do vinho, desde o início das mesmas o seu enfoque principal, ou não fosse o concelho de Torres Vedras o maior produtor de vinho do país: a iniciativa S. Martinho, Compras e Vinho, a Feira Rural, a tertúlia Vinho com Ciênciao Passeio de BTT Rota das Adegas, a instalação Jardim de Castas e a exposição de máquinas agrícolas e respetivo passeio.

Também na área lúdico-cultural, de mencionar destas festividades outras atividades como o habitual desfile de bandas filarmónicas do concelho de Torres Vedras, o concerto e exposição “Oceano - Mar é vida”, a oficina lúdica “Brincar nas Festas”, as ações na Paços - Galeria Municipal de Torres Vedras – a exposição/instalação de Dulce Nunes “O Jardim da Ana”, a exposição/concerto do Coro Infantil e Juvenil de Torres Vedras “Superfícies Sonoras e as Máquinas de Sons” e a exposição de pintura de Paula Rito “Linhas ao Vento do Norte” -, bem como o lançamento de livros também no Edifício dos Paços do Concelho de Torres Vedras: “A População do Patriarcado de Lisboa (1717-1748)”, de João Cosme, “Organização Arquivística: O fundo Administração do Concelho de Torres Vedras”, de Susete Lemos Marques, “Famosas Últimas Palavras”, de Luís Filipe Cristóvão, e “Noite dos Tempos”, de Vítor-Luis Grilo.

Já na vertente lúdico-desportiva do evento, refira-se, para além do mencionado passeio de BTT, o Cross de Torres Vedras, o Trail Cidade de Torres Vedras, a iniciativa Moto Tasquinhas, o Passeio de Automóveis Antigos e Clássicos, o Torres Vedras Night Run, o Torneio de PetancaCidade de Torres Vedras, o Torneio de Golfe Cidade de Torres Vedras e a inauguração do percurso pedestre Rota do Pão e do Barro (PR12). De realçar o facto de muitas destas atividades serem organizadas com associações locais, sintoma da vitalidade do tecido associativo do concelho de Torres Vedras.

Saliente-se ainda que no início destas festas terá lugar a habitual missa em honra de S. Gonçalo de Lagos; e no términus do evento realizar-se-á, como sempre, a Sessão Solene de Celebração do Feriado Municipal em que são atribuídas as condecorações municipais.

As Festas da Cidade de Torres Vedras 2017 são organizadas pelo Município de Torres Vedras, patrocinadas pelo Arena Shopping, apoiadas pela Biotrab, Fepal e Sacel, e têm como água oficial as Águas do Vimeiro e o Golf Mar como hotel oficial.

Mais informações sobre o evento podem ser consultadas no respetivo site (acessível em: www.torresvedrasemfesta.com), bem como o programa deste ano do mesmo (em: www.torresvedrasemfesta.com/programa-geral).


Câmara Municipal de Torres Vedras

Eu, Psicóloga | Sabia que reclamar faz mal ao cérebro? Veja dicas para fugir do hábito de reclamar


 


Sabia que reclamar faz mal ao cérebro?

Ouvir um resmungão pode te trazer mais do que vontade de sair correndo para bem longe do papo mal-humorado. A Ciência explica que uma enxurrada de reclamações, além de encher seu ouvido, atinge negativamente seu cérebro e o funcionamento do seu corpo.

Pior: se você é a pessoa que tem o hábito de criticar tudo e todos, o efeito também se aplica à sua saúde mental. Mas, parece que o hábito de reclamar acaba fazendo parte da nossa vida vez ou outra, não é mesmo? Por que reclamar atinge seu cérebro negativamente

O articulista e cientista da computação Steven Parton publicou um texto no site Curious Apes sobre como o fato de resmungar pode acabar com seu bem-estar e daqueles que o cercam, atingindo diretamente o cérebro dos indivíduos.
Ele explica que a cada pensamento que temos, nosso cérebro é remodelado, alterando a construção física da realidade. Isto porque a ponte que se forma entre as células nervosas (os neurônios) acaba se estreitando ainda mais para a produção daquele pensamento.

“Ao longo de seu cérebro há uma coleção de sinapses separadas por um espaço vazio chamado de fenda sináptica. Sempre que você tem um pensamento, uma sinapse dispara um produto químico através da fenda para outra sinapse, construindo assim uma ponte sobre a qual um sinal elétrico pode atravessar, levando consigo a informação relevante que você está pensando”, detalha.

Sinapses

“Toda vez que essa carga elétrica é acionada, as sinapses diminuem a distância que a carga elétrica tem que atravessar. Portanto, o cérebro é religado em seu próprio circuito, e se altera fisicamente para tornar mais fácil a realização das sinapses adequadas – e isto faz com que o pensamento, em essência, seja mais facilmente disparado”.

Aliado a essa capacidade cerebral, está o fato de que as sinapses que você tem mais fortalecidas definem sua personalidade. No fim das contas: aquele pensamento que se repete mais dentro da sua cabeça reforça as pontes dentro da rede dos seus neurônios.

“Através da repetição do pensamento, você aproxima cada vez mais o par de sinapses que representa suas inclinações, e quando surgir o momento oportuno para que você possa formar um pensamento, o pensamento que ganha é aquele que tem menos distância para viajar”.

Isto quer dizer que, quanto mais você reclamar, mais reforçará o jeito “reclamão” de seu cérebro.

Aceitação x desgosto

Steven aponta outro fator que faz com que os resmungos, por vezes, destruam nosso cérebro: a dualidade entre a aceitação e o desgosto, o amor e o medo, o otimismo e o pessimismo. Em uma experiência pessoal, o autor resolveu seguir, frente a situações boas e ruins, o preceito de “agradecer pela experiência e pela lição”.

“A natureza aprecia caos, e nosso cérebro não é diferente. E por isso é importante salientar que esta, obviamente, não é uma prática à prova de idiotas que irá erradicar completamente a negatividade de sua consciência; por vezes, a emoção pega muito pesado e o par de sinapses que chama a carga química será o negativo”, relata.

“Mas, como qualquer músculo, se você exercer essas sinapses ‘amorosas’, você vai encontrar uma nova força inata que fará o mundo brilhar com muito mais frequência. Você também vai se perceber muito mais feliz por causa de seu bem-estar”.

Ouvir reclamação dos outros

Quando você ouve muito blá-blá-blá negativo, seu cérebro se relaciona com a outra pessoa em virtude dos “neurônios-espelho”.
Nesta experiência, a empatia com o outro faz com que tentemos sentir a emoção que ele está sentindo – e aí, você literalmente, “troca energias negativas” com seu interlocutor.


O que fazer para evitar negatividade

Se você é uma pessoa que reclama muito e quer parar ou convive com alguém assim, separamos oito dicas simples para te ajudar :

1- “Somos o resultado das cinco pessoas que mais nos relacionamos”
Se você está do lado de pessoas que só reclamam, em breve pode se tornar assim também. Se afastem dessas pessoas.

2 -A palavra tem muito poder
Se você está no meio de uma crise e diz que vai ser assim até o final do ano, será  assim leve otimismo para a conversa: ‘existe um crise, sim. Mas o que vamos fazer para mudar?”. A dica aqui é conseguir ver o lado bom das coisas.

3- Esteja ao lado de pessoas que são altruístas e otimistas
Uma âncora é apenas 10% do peso do navio e, mesmo assim, o prende. Não deixe que ninguém seja uma âncora. 

4- Reclamar é um hábito e, por isso, pode ser mudado
Nosso cérebro demora 21 dias para entender que criamos um hábito. Depois, vira rotina. Por isso, evite manter atitudes negativas, como respostas ríspidas e mau-humor.

5- Tente mudar o assunto sempre que quem reclama entrar em ação
Você dá um bom-dia, e a pessoa responde ‘bom dia por quê?’; peça para ela respirar fundo e diga que o fato de ela estar viva já é motivo para um bom dia. 
Ela fala mal de alguém e você fala bem. 

7- Mude de assunto sempre que se sentir arrastado pelas energias negativas do interlocutor
Se a pessoa reclama de alguma coisa, pergunte algo como “você já viu como o céu está aberto hoje?”, para forçá-la a mudar de assunto.

8- Não tente chamar atenção da pessoa
Frases do tipo “você só reclama” ou “você fala tão mal” não funcionam. Quando alguém fizer uma crítica, fale uma coisa positiva. 

Pitaco: a regra da água 
Para aqueles que tem o hábito  de reclamar sempre, aqui vai a regra de ouro: . Ande com uma garrafinha de água e toda vez que pensar em falar mal de alguma coisa, beba a água e segure o líquido na boca. Assim você tem tempo para parar e pensar antes de falar.


Samurai | Concerto inaugural de "Acordeões do Mundo" | 27 Outubro

FESTIVAL INTERNACIONAL DE ACORDEÃO DE TORRES VEDRAS 2017
SAMURAI NO CONCERTO INAUGURAL DE “ACORDEÕES DO MUNDO”
No dia 27 de outubro, às 21h30, SAMURAI sobe ao palco do Teatro-Cine de Torres Vedras para o primeiro concerto da edição 2017 do Festival Internacional de Acordeão de Torres Vedras - “Acordeões do Mundo”.

Samurai é um supergrupo composto por quatro grandes mestres do acordeão diatónico, detentores de um vasto e consistente percurso musical em estilos como o jazz, o folk ou a música tradicional.
Ricardo Tesi, Markku Lepisto, David Munnely e Simone Botasso, baseados na figura dos guerreiros Samurai do antigo Japão, combinam na sua arte uma série de diferentes técnicas e estilos, prometendo um concerto brilhante.
Gentilmente melódico e brilhantemente tonal, cada atuação dos Samurai é um convite para saborear uma atmosfera íntima, ou uma sessão de dança selvagem.

Este concerto destina-se a maiores de 6 anos e o preço do bilhete é de 5 €.

“Acordeões do Mundo” terão continuidade com os seguintes concertos a realizar no Teatro-Cine de Torres Vedras:
Ana Kap  [França]| 28 outubro | sábado
Tino Costa [Portugal] | 2 novembro | quinta
Guillem Anguera  [Catalunha/Espanha]| 3 novembro | sexta
Motiv  [Portugal]| 4 novembro | sábado

Razões não faltam para se deixar animar por agradáveis sonoridades do acordeão que tornam a cidade de Torres Vedras mais viva e vivida.

A 14.ª edição do Festival Internacional Acordeão de Torres Vedras “Acordeões do Mundo” é uma organização da Câmara Municipal de Torres Vedras e do Teatro-Cine de Torres Vedras, integra o programa das Festas da Cidade 2017; tem o patrocínio do Arena Shopping; Água oficial: Vimeiro; Hotel oficial: Ô Hotel Golf Mar.

Informações úteis

Bilhetes 
Concertos no Teatro-Cine de Torres Vedras
1 concerto - 5 €
Passe 5 concertos - 15 €
Descontos: Cartão Jovem: 50% e Cartão Sénior: 50%
Bilhetes à venda em: torresvedras.bol.pt, no Posto de Turismo de Torres Vedras, Posto de Turismo de Santa Cruz, Museu Municipal, CTT, Worten, FNAC’s e, no dia a partir das 18h00, no Teatro-Cine de Torres Vedras. 

Classificação etária: M/6

Lotação: 400
http://www.cm-tvedras.pt/assets/images/nespeciais-icon.pngacesso a público com mobilidade condicionada 

Teatro-Cine de Torres Vedras
3ª a 6ª: 09h00 às 13h00 e 14h00 às 17h00
a partir das 18h00 em dias de espetáculo

Av. Tenente Valadim, n.º 19, Torres Vedras
261338131



Câmara Municipal de Torres Vedras


Biblioteca Municipal coloca mais de 2800 livros a circular para a leitura em família



A Biblioteca Municipal de Albergaria-a-Velha tem atualmente 2825 livros a circular, em regime de itinerância, pelos estabelecimentos de Educação Pré-Escolar e do 1.º Ciclo do Ensino Básico no âmbito do projeto “Ler+ em Família”. Em relação ao ano letivo passado, são mais 240 livros ao dispor das cerca de 1400 crianças da rede pública, privada e solidária do Concelho.

 O projeto “Ler+ em Família” é uma iniciativa do Programa Municipal de Educação que visa promover a leitura em espaço familiar, de acordo com o premissa, explicitada no Plano Nacional de Leitura (PNL), de que “os pais, avós, tios ou padrinhos desempenham um papel importante se lerem em voz alta e se ajudarem as crianças a gostar de livros”.

No início do ano letivo, a Biblioteca Municipal entrega uma sacola (pré-escolar) ou baú (1.º Ciclo) com um conjunto de livros recomendados pelo PNL que podem ser requisitados pelas crianças para levarem para casa. Todos os trimestres, os livros são substituídos por outros títulos, mas o professor e educador podem pedir a permanência ou renovação de alguns livros se tal for pertinente. Podem ainda requisitar uma obra que não está contemplada no projeto para trabalhar determinada temática com os mais novos. O “Ler+ em Família” inclui 1152 títulos diferentes, a maioria com vários exemplares, perfazendo um total de 4034 obras alocadas ao projeto, mas 200 do que no ano passado.

  Em casa, os pais são aconselhados a ler com os filhos antes de se irem deitar e a ter alguns livros disponíveis nas várias divisões da casa, para que as crianças possam escolher o que lhes chama mais a atenção. Os encarregados de educação podem ainda inscrever, comodamente, os seus educandos na Biblioteca Municipal através das fichas de inscrição que acompanham os livros em itinerância.




Município associa-se a campanha de recolha de alimentos para animais afetados pelos incêndios

A Associação de Médicos Veterinários dos Municípios (ANVETEM), em estreita parceria com o Município de Vila Nova de Cerveira e a Ordem dos Médicos Veterinários (OMV), angariaram 9 toneladas de alimentação animal, entre fenossilagem de aveia e azevém e silagem de milho, para colmatar as necessidades das zonas mais fustigadas pelos incêndios do passado fim-de-semana a Norte do Tejo.
VNC 19/10/17
O grande volume de produtos angariados seguiu, esta quinta-feira, tendo como destino a ANCOSE em Oliveira do Hospital, onde equipas destacadas no terreno a farão chegar às explorações de animais mais necessitadas, após a fustigação de milhares de hectares de floresta e de terrenos de pasto.
Tal como é sublinhado pela Associação de Médicos Veterinários dos Municípios, uma palavra especial de agradecimento ao produtor Rosamel Pires Venade que doou grande parte desta carga e assegurou a logística de carregamento do camião.
De sublinhar que se encontra aberta uma conta solidária da Ordem dos Médicos Veterinários (IBAN PT50 0033 0000 00132948492 05) cujos donativos destinam-se exclusivamente para ajudar os animais das zonas afetadas.



Miccoli condenado a três anos e meio de prisão por extorsão agravada

O antigo avançado do Benfica foi acusado de extorsão agravada.
Fabrizio Miccoli foi condenado a três anos e meio de prisão, depois de ter sido acusado de extorsão agravada, entre 2010 e 2011, altura em que representava o Palermo.
De acordo com a acusação, o antigo avançado do Benfica terá pedido a um amigo, Mauro Lauricella, para recuperar uma verba que estava na posse dos proprietários de uma discoteca.
O indivíduo em questão é filho de Antonio Lauricello, um dos chefes da máfia do distrito de Kalsa, que terá utilizado métodos violentos para recuperar o valor em questão.
Miccoli, 38 anos, terminou a carreira de jogador em 2016. Representou o Benfica entre 2005 e 2007.

Fonte: O Jogo
Foto: REUTERS

Aposta no turismo em duas rodas

A Região de Turismo do Algarve acaba de formalizar a adesão ao projeto «Atlantic On Bike – Um destino de cicloturismo ímpar para um crescimento sustentável», que visa desenvolver a sustentabilidade turística do destino baseada na rota ciclável transnacional EuroVelo 1 – Rota da Costa Atlântica.
Seguindo a fronteira ocidental da Europa, a rota EuroVelo 1 combina ao longo de mais de 9.100 quilómetros os majestosos fiordes da Noruega, a costa selvagem da Irlanda e as praias banhadas pelo sol de Portugal.
De leste para oeste, da fronteira espanhola até Sagres, a EuroVelo 1 cruza o Algarve num percurso de mais de 200 quilómetros de extensão designado por Ecovia do Litoral, conduzindo os cicloturistas às paisagens magníficas da costa algarvia e oferecendo encantos para todos os gostos.
No sítio da Internet euroveloportugal.com/pt é disponibilizada toda a informação sobre a rota EuroVelo 1 em Portugal, dividida em secções, com a descrição da rota, informações sobre transporte público, sinalização, código da estrada, percursos GPS e aluguer de bicicletas. Ao todo são 18 as secções nacionais, das quais cinco atravessam o Algarve, incluindo a Ecovia do Litoral Sudoeste, mais recente, com início em Sagres.
O projecto «Atlantic On Bike» é liderado pelo departamento francês dos Pirenéus Atlânticos e envolve um total de 18 parceiros de sete países, incluindo a Comunidade intermunicipal do Algarve (AMAL) e a Região de Turismo do Algarve, que assumirá sobretudo as acções de comunicação e de promoção. Os dois parceiros portugueses vão gerir um orçamento total de 350 mil euros ao longo de 36 meses e a taxa de co-financiamento poderá atingir 75 por cento dos custos elegíveis do projecto.
De acordo com a ficha de projecto, os objectivos específicos desta iniciativa passam por estimular, estruturar, promover e monitorizar a oferta turística ciclável do Algarve; aumentar a procura turística impulsionando a economia local e gerando emprego; e proporcionar condições aos turistas e população residente para usufruir do ciclismo como actividade de lazer.
A rede EuroVelo compreende actualmente 15 rotas cicláveis de longa distância que unem todo o continente europeu, podendo ser utilizadas tanto por cicloturistas durante as férias como por residentes nas suas deslocações diárias. Muitas destas rotas encontram-se concluídas, mas outras estão ainda em desenvolvimento. Estima-se que até 2020 a rede esteja completa.
Este projecto é cofinanciado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) através do Programa INTERREG Espaço Atlântico.
Fonte: O Algarve Económico